A mulher, o pensamento e a bunda

 E as mulheres estão mais uma vez na ordem do dia. Primeiro por conta do misto de galhofa, indignação e desprezo que tomou conta das redes sociais com a publicação do perfil de Marcela, mulher do ex-vice-quase-presidente – ou golpista traidor, como querem alguns – Michel Temer (PMDB).

O bordão “Bela, recatada, do lar” já é um clássico.

Em seguida surge a sem noção “primeira-dama” do Turismo, Milena Santos fazendo fotos tipo “vem cá meu bem” com seu marido ministro, em pleno gabinete de trabalho de um alto funcionário do governo Dilma.

No caso de Marcela, logo surgiu a dúvida: será gozação da revista, que procura expor/ridicularizar uma mulher à antiga, dedicada somente aos afazeres mais comezinhos de quem não tem nada o que fazer?

Ou será caretice, ao identificar e dar importância a valores idiossincráticos frente à mulher moderna, profissionalmente ativa e suas históricas conquistas?

Quem sabe a intenção da revista teria sido apenas demonstrar, ressaltando seus “dotes”, que o papel da mulher seria este mesmo: ostentar beleza, demonstrar recato e ser digamos assim “domesticada”- em contraponto a uma certa mulher arrogante e desprovida de encantos que corre sério de ser apeada do poder?

Detalhe: o texto começa e acaba dizendo que tanto Marcela quanto Temer têm “sorte”…

As versões e interpretações de homens e mulheres abundaram, grande parte destas mandando ver nos adjetivos: machistas, preconceituosos, maus! Mas outros acharam a reportagem bacana.

Mas deixou no ar uma dúvida atroz: afinal, o que pensa Marcela Temer?

Ao fim e ao cabo da reportagem, o leitor fica sem saber, porque não há nenhuma declaração, nenhuma aspas sequer, uma frase que tenha saído diretamente de sua boca.

Já a “Miss Bumbum” Milena Santos, mulher do ministro do Turismo, Alessandro Teixeira (PT), partiu para o ataque e deixou bem claro o que pensa – e antes se mantivesse calada: defendeu sua posição calipígia, atacou seus detratores e mandou:

“Não estou tirando a roupa para aparecer, estou usando isso para chamar a atenção sobre o que tenho para dizer. O povo brasileiro dá mais atenção a uma bunda de fora do que para o que precisamos realmente dar atenção. A mudança para que possamos eleger bem nossos representantes, começa em tentar melhorar a cultura do país”.

Como se vê, a exposição pública da mulher brasileira -seja de qual tendência política for – não faz jus ao histórico do que se pode chamar de pensamento feminino clássico, consagrado pelo aforismo de Simone de Beauvoir: “Não se nasce mulher: torna-se.”

Independente da bunda, claro.

Mas não ficamos por aí:  um simpático livrinho editado pela Ediouro (“Mulheres, os Melhores Pensamentos”, hoje fora de catálogo e encontrável apenas em sebos) nos relembra o que de fato importa em momentos como este, quando o obscurantismo tenta obliterar a verdadeira importância da mulher no universo predominante machista.

Segue, a título de ilustração, uma seleção do que mulheres bacanas disseram ao longo da história, com algumas frases que podem soar datadas, mas todas bem coetâneas.

mulheres

Não gosto dos termos “dona de casa” e “doméstica”. Prefiro “Deusa do lar”… É mais descritivo. 

Roseanne Barr, humorista e apresentadora de TV

Quero ser tudo o que for capaz de ser.

Katherine Mansfield, escritora

O culto sentimental das virtudes domésticas é o método mais barato do qual a sociedade pode lançar mão para manter as mulheres caladas sem considerar seriamente suas queixas ou melhorar sua posição.

Alva Myrdal e Viola Klein, cientistas sociais

Sou dona da minha pessoa. A única dona. Por isso tenho que valorizar minha pessoa. E por isso tenho que fazer uso adequado de mim mesma.

Ruth Beebe Hill, ativista e escritora

Quando um homem se levanta para falar, as pessoas ouvem e depois olham. Quando uma mulher se levanta, as pessoas olham; depois, se gostarem do que estão vendo, escutam.

Pauline Frederick, atriz

Tenho a habilidade feminina de permanecer em um emprego e levar o trabalho adiante quando todo mundo vira as costas e desiste.

Margaret Thatcher, premiê britânica

Todas as mulheres trapaceiam. As mulheres observam a expressão facial, os gestos, os humores… Sobrevivem pela esperteza.

Marge Piercy, poeta e ativista social

Eu mesma nunca consegui descobrir exatamente o que é o feminismo: só sei que as pessoas me chamam de feminista toda vez que eu expresso sentimentos que me diferenciam de um capacho.

Rebeca West, escritora

A mulher média prefere ser bonita a ser inteligente, pois sabe que o homem médio vê melhor do que pensa.

Lady’s Home Journal – 1947

Eu gostaria de dizer também que assim que teve a chance, Adão colocou a culpa na mulher.

Nancy Astor, primeira mulher eleita para a Câmara dos Comuns do Reino Unido

Exijo apenas três coisas de um homem: que ele seja bonito, implacável e burro.

Dorothy Parker, escritora

Se tivesse que viver minha vida novamente, da próxima vez ousaria cometer erros.

Nadine Stair, poeta

O fato é que posso ter qualquer experiência que quiser na vida. Não tenho que escolher uma coisa nem agir de uma forma para me definir como mulher. Sou mulher.

Ally Sheedy, atriz e escritora

O galo enche o peito, mas são as galinhas que põem os ovos.

Anônimo

Comments

comments

2 pensamentos em “A mulher, o pensamento e a bunda”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *